Carrinhos de madeira: pensar a mobilidade para além do consumo estético.

Certamente todos os que já passaram ou fazem parte da Upiá já ouviram/ouvem falar dos brinquedos artesanais que estão nas salas. Mas você sabe quem os produziu? Qual a intenção deles?
Nas semanas que antecederam a suspensão das atividades o assunto mais comentado nos corredores era os novos carrinhos de madeira. Dado esse fato, pedimos que o artista visual Maurício Pons, que atua na oficina “Barro Duro” da Escola Upiá, falasse mais desses novos brinquedos para a gente.

Oficina de argila “Barro duro”, na Escola Upiá.

“Carrinhos de madeira: pensar a mobilidade para além do consumo estético”, por Maurício Pons.

Nos últimos anos, realizei a produção de duas séries com designs diferentes para as crianças da Escola Upiá. A primeira série foi confeccionada a partir de modelos de veículos convencionais: carros, ônibus e caminhões, e a segunda foi produzida a partir da ideia de veículos futuristas.
Em ambas as séries, cada carrinho é único e possui características variadas, tendo como referência brinquedos sugeridos por pedagogias libertárias de aprendizagem Montessoriana e Waldorf. Os brinquedos foram produzidos com o reaproveitamento de materiais, madeiras que um dia já foram outros objetos e, para os eixos, optei por utilizar lápis de cor.

Ateliê de Maurício Pons, espaço de produção dos carrinhos de madeira.


Os brinquedos são pensados para o livre brincar, assim, as madeiras foram tratadas com óleo de linho e azeite de oliva, para as crianças poderem experimentar as texturas com todos os sentidos, podendo colocar na boca sem medo, pois não possuem nenhum verniz de origem química como convencionalmente encontramos no mercado.
As duas séries de carrinhos são desenvolvidas com o propósito de proporcionar ergonomia para as mãozinhas dos pequenos, portanto não possuem cantos retos ou ângulos pontiagudos que possam dificultar o manuseio ou machucar na melhor hora, a hora da brincadeira!
A série dos carrinhos futuristas possuem um círculo no centro, dando a ideia de janelas, mas o principal intuito é poder servir para as crianças de 0 a 2 anos que tem as mãos pequeninas, facilitando, assim, a empunhadura para o manuseio quando estiver brincando. Cabe ressaltar que cada carrinho foi feito individualmente e a mão.

Projeto dos carrinhos e um dos modelos desenhados por Maurício.

O que as crianças andam dizendo é poesia II

Criamos uma poema com as respostas das famílias, da pergunta: “o que as crianças andam dizendo por aí?” Assim, exercitando a escrita poética e explorando o vocabulário e diálogos infantis, podemos registrar pérolas e complexidades levantadas pelas crianças. Olha só como ficou nosso poema:

hoje vamos ficar em casa

hoje não vamos pra rua
hoje vamos ficar em casa

tem muitas coisas pra fazer aqui
a gente tem língua pra falar
e bunda pra soltar pum
e boca pra dizer eu te amo

hoje não vamos pra rua
hoje vamos ficar em casa

porque aqui tem lua
porque aqui a gente se abraça
porque estamos juntos na nossa casa

hoje não vamos pra rua
hoje vamos ficar em casa

então na hora do banho
encha um baldinho com água
brinque e também limpe o ranho

hoje não vamos pra rua
hoje vamos ficar em casa

se sentir muita saudade
se tudo estiver sem gosto
lembre que gosto de você
com um sorriso no rosto

hoje não vamos pra rua
hoje vamos ficar em casa

criança tem tudo em casa
meu brinquedo preferido
meu pão que caiu no chão
minha pereba no umbigo

então
meu amor,

hoje não vamos pra rua
hoje vamos ficar em casa.

//

O que achou?

Compartilhe poemas e diálogos das crianças por aqui, vamos admirar o que há de mais poético e artístico na infância.

#escolaupia #educacaoinfantil #pelotas #perguntaupia #poesiaupia #fiqueemcasa #brinqueemcasa

O que as crianças andam dizendo é poesia

As crianças são ótimas com as palavras e composições, que podem ser divertidas ou esdrúxulas. Podemos aproveitar esses dias em casa para anotar frases, perguntas e palavras ditas por elas e criar poemas a partir disso. É divertido de fazer, além de ser uma forma de registrarmos as gracinhas que elas falam e, especialmente, as memórias afetivas da sua infância.

Fizemos um poema para inspirar vocês a ler e escrever poesias.

a melhor coisa do mundo
é ter tempo pra ficar em casa
com quem amamos como sorvete
e que leia poesia pra gente

pode ser numa barraca mágica
pode ser no sofá da sala
pode também se imaginar na Guatemala

E escolhemos três poemas do livro Poemas com macarrão, do poeta Fabrício Corsaletti, como sugestão de leitura com as crianças. Vocês conhecem este livro? Nós conhecemos agora e adoramos. Logo ele entrará para o acervo da escola.

Boa leitura!

IMG_8904
Imagem: acervo Escola Upiá.

Canção do vento e da argila

venta nos galhos das árvores
e nos braços de Camila
me digam se estou maluco
mas vento é que nem argila

ganha a forma que quiser
vira bicho e vira planta
o vento e a argila podem
ser um coqueiro ou uma anta

a argila, a gente ajuda
a achar o destino certo
o vento sopra sozinho
sobre as tendas do deserto

vento é a alma das coisas
argila é a coisa em si
argila fica parada
vento não está mais aqui

Imagem: acervo Escola Upiá.

Balada do chinelo

sou amigo da Joana
sou amigo do Marcelo
um bovino adolescente
é chamado de vitelo
antigamente morria
muita gente nos duelos
não tinha água encanada
naqueles lindos castelos
como é bom ficar em casa
descalço ou só de chinelo!

quando crescer, quero muito
poder usar um martelo
para ajudar minha mãe
a pendurar quadros belos
entender a diferença
entre uma faca e um cutelo
deixar o jardim tinindo
com um reluzente castelo
e vou fazer tudo isso
descalço ou só de chinelo

que a boa sorte me livre
de torcer meu tornozelo
dizem que dóis pra caramba
mesmo se colocar gelo
num sovaco sou careca
mas no outro tenho pelo
meu sonho: andar no Saara
na corcova de um camelo
depois, no hotel, relaxar
descalço ou só de chinelo

há tantas coisas no mundo
Japão, balão, cogumelo!
viver de papo pro ar
descalço ou só de chinelo

Imagem: acervo Escola Upiá.

Fabrício Corsaletti, Cia. das Letrinhas Brasil, 2018
https://www.companhiadasletras.com.br

Bolo de cacau da Upiá

Atendendo aos pedidos e para se deliciar em casa, a escola Upiá vai revelar um dos seus maiores segredos!

Ele, querido por todos, o mais amado e saboroso, o inesquecível e o incomparável BOLO DE CACAU DA UPIÁ.

#cozinharemcasa #brincaremcasa #escolaupia #educacaoinfantil #pelotas

#cozinharemcasa #brincaremcasa #escolaupia #educacaoinfantil #pelotas

Bolo de cacau
2 ou 3 ovos
1/2 xícara de açúcar mascavo2 xícaras de farinha integral ou farinha de arroz
1/2 xícara de cacau em pó (pode usar mais, caso goste mais forte)
1 xícara de aveia
2 copos de água ou até dar ponto de massa de bolo
3 colheres de sopa de óleo de girassol
1 colher de fermento químico


Misture todos os ingredientes até obter uma massa homogênea e mole.
Assar por 40 a 45 min depende do forno. 200 graus média. Essa receita pode ser feita com farinha com glúten ou sem. Caso não queira utilizar ovos, pode substituir por goma xantana. Fica gostoso colocar castanhas picadas.

Pronto, nosso segredo foi revelado, só falta ser preparado.

Compartilhe seu bolo de cacau conosco e conte como ficou!