Festa das Fantasias

Final de outubro e início de novembro envolvem datas comemorativas tradicionais e aquelas que são cada vez mais comuns no nosso cotidiano. Dia 31 de outubro é o Dia do Saci e também o dia das Bruxas (Halloween), e 2 de novembro é Finados (Día de los Muertos nos outros países da América Latina).

Acreditamos que a escola deve dar espaço para que as famílias escolham, de acordo ao seu estilo de vida, as datas que desejam celebrar e tornar rotina familiar. Ao mesmo tempo, sempre nos perguntamos como podemos acompanhar o que acontece além da escola, na rua, na comunidade. Neste sentido, buscamos em nossas comemorações incluir elementos dessas datas que possam ser compreendidos pelas crianças e que transmitam mensagens de entendimento da diversidade cultural do mundo.

Durante a semana nossa equipe trabalhou com as crianças os temas fantasia e realidade. Com esta inspiração conversamos sobre criaturas reais e imaginárias que podem dar medo. Por exemplo, as aranhas e os morcegos, que nesta época do ano estão presentes devido à popularidade que o Dia das Bruxas/Halloween vem ganhando no Brasil e na nossa cidade. As crianças participaram de atividades de confecção de morcegos de papel e aranhas reutilizando garrafas PET. As crianças também fizeram bolachinhas de aveia e cacau para rechear as aranhas. Foi divertido e sem querer o resultado combinou com o tema da semana, porque as bolachas ficaram bonitas (fantasia) mas duras de verdade (realidade)!

O escuro também foi tema de conversas e arte, quando as crianças pintaram com aquarela o dia e a noite. A equipe selecionou leituras relacionadas, como o belo Noite do Sertão, de Cynthia Cruttenden (Cosac Naify). Ler no escurinho, todos juntinhos, foi sensacional!

O professor Gabriel Almeida Nogueira fez a sua oficina de Contação de Histórias da semana com o livro Saci Pererê (Paraíso da Criança), em alusão ao dia 31 de outubro, considerado o Dia do Saci.

Entre as atividades alusivas ao Dia de Finados, um delicado tema para tratar com as crianças, o prof. João Cruz trabalhou o Boi-bumbá (ou Bumba-meu-boi). O folclórico Boi-bumbá é uma dança popular brasileira, com “personagens humanos e animais fantásticos que dançam e giram em torno de uma lenda sobre a morte e ressurreição de um boi” (Wikipedia). As crianças dançaram e também pintaram uma figura do Boi-bumbá.

Dia 1º de novembro tivemos mais um agradável e divertido evento no pátio da escola: a Festa das Fantasias. Crianças, famílias e equipe desfrutaram de agradáveis momentos no pátio da escola, decorado com arte das crianças, pinhatas e a mesa de comidinhas, mas o que deu o toque especial foram as criativas fantasias dos participantes. A professora Danusa estava lá com sua tradicional e concorrida banquinha de pintura facial. Entre borboletas e morcegos surgiram Calaveras e Catrinas, que são representações do crânio humano e fazem parte das representações da cultura mexicana para o Día de los Muertos.

Confira as fotos desta semana e da nossa Festa das Fantasias!

 

 

Uma equipe unida pelo futuro das crianças

Hoje é 15 de outubro, dia de homenagear a equipe de educadores e trabalhadores escolares de todo o Brasil.

No vídeo/montagem apresentado a seguir mostramos um pouco do trabalho dessa equipe incrível e amorosa, que pensa a educação infantil como uma etapa essencial para a formação do ser e da cidadania.

Para nós todo dia é dia das crianças e a elas dedicamos todo o nosso amor e profissionalismo. Parabéns a todxs os educadores!

Oficina de Sapateado na Upiá

Nesta terça-feira começou uma nova oficina cultural na Escola Upiá. A oficina de sapateado com o professor João Cruz, dançarino, artista e professor de sapateado acontecerá duas vezes por semana na nossa escola.

As crianças entraram rapidamente no ritmo, e o prof. João nos explicou que é assim mesmo, afinal são elas as especialistas em pular e bater com os pés no chão!

Confira que lindo momento no nosso vídeo!

 

Prof. Gabriel Nogueira fala sobre suas oficinas em evento no IFSul

Ontem à tarde o professor Gabriel Almeida Nogueira falou sobre seu trabalho como oficineiro na Escola Upiá no curso de formação “A educação inclusiva e o atendimento educacional especializado“, oferecido aos servidores do Instituto Federal Sul-Riograndense (IFSul).

Este foi o último encontro do curso organizado pelo Departamento de Educação Inclusiva do IFSul, e teve como tema principal a pessoa com deficiência no mundo do trabalho. O evento encerrou com a mesa “Relatos de experiências de pessoas com deficiência no mundo do trabalho” e foi aberto à comunidade.

Após as palestras “A pessoa com deficiência e o direito ao trabalho” e “A Inclusão no mundo do trabalho: uma experiência da Universidade Católica de Pelotas no Programa Menor Aprendiz”, o oficineiro da Escola Upiá Gabriel Almeida Nogueira contou a sua história de formação desde o pré-escolar até a licenciatura em Teatro pela Universidade Federal de Pelotas.

Quanto à sua trajetória profissional, o professor Gabriel apresentou os grupos de trabalho e estudos em teatro dos quais fez parte e as atividades que desenvolve desde 2016 como oficineiro de Contação de Histórias na Escola Upiá. Entre as atividades relatadas pelo prof. Gabriel estavam a leitura de livros para crianças de 1 a 5 anos em grupos pequenos ou grandes; teatro, expressão corporal, canções, brincadeiras e a convivência com seus alunos e alunas.

O curso começou em março deste ano e contou com a participação de servidores dos 14 câmpus do instituto. A formação tem o objetivo de desenvolver competências na área da educação inclusiva, voltado para a inclusão de estudantes com deficiência.

Confira algumas imagens do evento e das oficinas do professor Gabriel na nossa escola.